Ser pobre é colocar o seu celular pra recarregar no trabalho pra economizar a energia de casa......

veja todos os voos de drone em

www.Zmaro.tv/Drone

 

 

Mais
acessados

Principal

Modelos de
Documento

Receitas

Resumos
de Livros

 Perguntas e Respostas
 Jurídicas

Idéias para
ficar rico

Dicas gerais

Dizem que

Ser pobre é


Memorização

Curso de Memorização

Memorização:
que dia cai?

Demais
Cursos e
apostilas


Gastronomia

carnes

bacalhau

dicas gerais

microondas

 receitas diversas

Receitas

em vídeo

tudo sobre congelamento

vinhos


Download

delivery

palpites para loteria

simulador keno (bingo)

treine digitação

ringtones de graça

Saiba quais números
mais e menos saem
na MEGASENA


Contato

Fale com o Zmaro
e/ou
PobreVirtual

Site do
Programa Zmaro

Vídeos do
Programa Zmaro
Humor inteligente
de forma descontraída...

 
Ação Indenizatória - Prejuízos Causados por Transmissão de Rádio


Petições - Ações Indenizatórias
A Emissora de rádio, ora requerida, transmitiu informações desairosas e desanimadoras sobre a requerente, sem qualquer justificativa, causando à esta prejuízos da natureza material e moral.



EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....



......................................, pessoa jurídica de direito privado inscrita no CGC/MF sob nº ...., sita na Rua .... nº ...., neste ato representada por seu proprietário Sr. .................., (qualificação), inscrito no CPF/MF sob nº ...., residente e domiciliado em ...., por suas procuradoras e advogadas infra-assinado, conforme instrumento de procuração incluso, com escritório profissional sita na Rua .... nº ...., em ...., onde recebem intimações em geral, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, com fundamento nos artigos 798, c/c 839 e seguintes do Código de Processo Civil, propor a presente

AÇÃO INDENIZATÓRIA

contra ..................................., pessoa jurídica de direito privado, sita na Rua .... nº ...., em ...., . pelas razões de fato e de direito a seguir expostas e deduzidas:

1. O representante legal da Requerente, através de um contato telefônico em data de .... de .... de ...., por volta de ....h, foi informado que no programa da emissora supra citada, estavam transmitindo em pleno ar, informações desairosas e desabonadoras sobre a empresa.

2. Imediatamente o proprietário da Requerente sintonizou o rádio na freqüência da Requerida, ocasião em que comprovou o que realmente estava acontecendo.

3. O proprietário da Requerida, procurou imediatamente entrar em contato com locutor da requerida, Sr. ...., solicitando esclarecimentos, pois os meios empregados pelo mesmo, colocavam a empresa por ele administrada em situação vexatória e constrangedora diante dos milhares de ouvintes da emissora.

Entretanto, não conseguiu obter qualquer explicação, uma vez que o funcionário da Requerida, passou a ofendê-lo, alegando que a matéria veiculada por aquele meio de comunicação, tinha sido de âmbito geral em relação às imobiliárias.

Todavia, essa alegação era mendaz, uma vez que a Requerente estava sendo grosseiramente nominada no programa da emissora, conforme comprova a declaração, em anexo.

Através de novo contato telefônico, o proprietário da Requerente dialogou com o Sr. ...., proprietário da Requerida, pedindo a retratação de que fora divulgado.

No entanto, o proprietária da Requerida ofendeu gravemente o representante da Requerente.

Na seqüência, o locutor deu continuidade à programação, difamando ainda mais a empresa, ora Requerente, em pleno ar.. Programação essa, que é ouvida em .... e toda região.

4. Tal procedimento, causou prejuízos imensuráveis ao requerente, eis que colocou em dúvida o seu desempenho profissional, constituindo portanto, grave lesão patrimonial.

A dignidade e a atuação da empresa ora Requerente, foram indiscutivelmente manchadas pelo procedimento da Requerida, razão pela qual deve esta responder pela má repercussão da matéria vinculada na imprensa, cuja retratação desde já se requer.

O poder de informar e noticiar os fatos é permitido pela Constituição Federal, mas devem ser observadas as cautelas legais, para evitar a prática de atos lesivos dos direitos dos cidadãos.

Assiste razão a Requerente, ao pleitear a provisão jurisdicional, pelos danos causados pela Requerida, tendo em vista os reflexos negativos que a transmissão causou para a Empresa, com imensuráveis prejuízos, pois inúmeras pessoas que pretendiam firmar contrato com a Requerente, ao ouvirem ao programa, automaticamente preferiram procurar outra empresa do mesmo ramo.

E não é demais frisar, que a rádio ora Requerida, tem grande audiência, atingindo até mesmo ramo as cidades vizinhas.

Por isso, está patente que a repercussão negativa sobre a pessoa do Requerente foi de forma imensurável e sem possibilidade de se calcular o montante do prejuízo advindo em virtude daquela transmissão radiofônica, prejuízo esse, tal moral como financeiro.

Assim é o entendimento da jurisprudência:

"A Lei 4.117 de 27.08.62, que instituiu o Código Brasileiro de Comunicações, mais explícito (que o art. 1547, parágrafo único, do Código Civil), manda que se repare o dano moral (art. 81) e indica os critérios para a estimação dessa indenização (art. 84). Aliás, o simples fato dessa indenização poder ser fixada pelo juiz em importância maior ou menor prova que não se cuide de ressarcir um dano patrimonial determinado. Também aqui deve-se entender que, existindo difamação, injúria ou calúnia, o legislador presume a ocorrência de prejuízo para o ofendido, presunção que exime a vítima do ônus de provar o dano." (RJTJESP 1/22).

E,

"Responsabilidade civil - Calúnia, injúria e difamação - imprudência no desempenho de função jornalística - Sentido manifestamente equívoco de frases contidas em reportagem de vespertino - Fatos não havidos como ilícitos penais - Obrigatoriedade, porém, de reparação do dano moral - Aplicação da Lei nº 5.250/67." (RJTJESP 27/173).

E ainda,

"Indenização - Responsabilidade Civil - Dano moral - Lei de Imprensa - Veiculação de notícia de forma sensacionalista, envolvendo o nome do autor - Configuração do abuso do direito de informar - arts. 1º, 12 e 49 da Lei Federal nº 5250 de 1967 - Verba devida - Recurso não provido." (TJSP - 2ª C. - Ap. - Rel. Urbano Ruiz-j 2.10.90 - RJTJESP 130/196).

Por tudo isso, a condenação que deve sofrer a Requerida no presente feito é calculada no seu grau máximo, levando-se em consideração que a amplitude de recuperação negativa prolatada por força daquela transmissão dolosa, capaz de denegrir cada vez mais a imagem da Requerida.

O entendimento da Professora Maria Helena Diniz, ao defender sua tese a respeito do "quantum" indenizatório, é o seguinte:

"Na reparação do dano moral o juiz determina, por eqüidade, levando em conta as circunstâncias de cada caso, o quantum da indenização devida, que deverá corresponder à lesão, e não ser equivalente, por ser possível tal equivalência."

Ademais, é essencial para a fixação do valor, a sua aproximação da realidade fática do caso concreto, levando em conta a extensão do dano e das condições sócio-econômicas da vítima e do ofensor.

É perfeitamente admissível, o pedido de indenização pelos danos causados à Requerente, em decorrência da manifestação ocorrida no programa da rádio ora Requerida, visto que a mesma acarretou graves abalos em seu conceito no mercado imobiliário, uma vez que restou cabalmente comprovada a ofensa ao direito à honra e a imagem.

Face ao exposto, requer-se digne Vossa Excelência em acolher o presente pedido, para ao final condenar a Requerida no pagamento de uma indenização, equiparada ao grau máximo de dano de ordem econômica e moral sofridos pela Requerente, a ser arbitrado por esse V. Juízo, honorários advocatícios, custas processuais e demais cominações legais.

Requer que Vossa Excelência, determine que a Requerida proceda a retratação das ofensas proferidas, no mesmo horário em que foi veiculada a malfadada transmissão.
Requer a citação da Requerida, no endereço acima indicado, na pessoa de seu representante legal, para, querendo, poder no prazo legal, contestar a presente ação, sob pena de revelia e confissão quanto a matéria de fato.

Protesta provar o alegado, por todos os meios de prova em direito admitidos, notadamente pelo depoimento pessoal do representante legal da Requerida, que desde já fica requerido, sob pena de confitente, juntada posterior de outros que se fizerem necessários para a elucidação dos fatos, oitiva de testemunhas, cujo rol segue anexo, perícias e outros meios de provas que se fizerem necessários para a elucidação dos fatos.

Requer-se seja o presente distribuído por dependência aos autos nº ...., de Busca e Apreensão da .... Vara Cível de ....

Dá-se à causa o valor de R$ .... (....) para fins de alçada.

Nestes termos,

Pede deferimento.

...., .... de .... de ....

...................
Advogado OAB/...

 

Clique abaixo para ver um pouco do Programa Zmaro
Humor inteligente de forma descontraída...

 

De grão em grão a galinha enche o bico!!!
Contribua com o PobreVirtual e Programa Zmaro. Curta, comente e compartilhe o Programa Zmaro nas suas redes sociais.
Envie seus resumos, receitas, dicas, provérbios e o que mais tiver para comaprtilhar no PobreVirtual e no Programa Zmaro. Basta acessar
www.pobrevirtual.com.br/fale
Ou se preferir você pode contribuir financeiramente depositanto qualquer valor em qualquer lotérica (Caixa Econômica Federal): agência 1998, operação 013, Poupança número 8155-0, ou veja outros meios em www.Zmaro.tv/doe 
Livros e cursos são caros, me ajude a aprender novas linguagens para lhe ensinar melhor e incrementar este site com várias novidades. Quando você passar em frente a uma lotérica, lembre-se que existe alguém que precisa muito desta(s) moedinha(s), ponha a mão no bolso e perca alguns segundos do seu tempo e faça um depósito. Pegue aquela moedinha que vai acabar caindo do seu bolso e dê um bom destino a ela.